Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 1 de julho de 2011

CAMINHO DA LIBERTAÇÃO - 10




10. –
Se observarmos a sociedade com uma visão clara percebemos imediatamente a cada esquina da vida, a doença, a dor psicológica, a miséria, a pobreza, a velhice e a morte.
A doença de origem física ou mental, com a instabilidade, perturbação e dores que causa.
A dor psicológica resultante da ansiedade, depressão, inquietação, estados indefinidos e medo psicológico, tal como o medo da morte, das doenças, de perder o emprego, os meios de sobrevivência, os entes queridos, e ainda o medo do próprio medo.
A miséria dos que não têm um tecto que os acolha, emprego, comida, assistência médica. Dos que morrem à fome ou vão morrendo lentamente por carência de meios económicos.
A pobreza, a insuficiência de meios para satisfazer integralmente as necessidades elementares. Os múltiplos e exigentes sacrifícios quotidianos.
A velhice com a deterioração física e mental, e em tantos casos, a solidão que de mãos dadas a acompanha.
A morte, a certeza absoluta, a maior das certezas, facto inelutável que tantas dúvidas e sentimentos negativos acarreta.


JOSÉ MARIA ALVES
www.homeoesp.org


2 comentários:

Anónimo disse...

Julgo que um dos problemas que mais fazem sofrer os homens tem a ver com a velhice.
Envelhece-se demasiadamente depressa e não sabemos envelhecer, porque estamos sempre a fugir à morte.

Anónimo disse...

Os "velhos" estão expostos às maiores atrocidades. Abandono, maus-tratos, solidão, dificuldades financeiras, doenças físicas e mentais, carência de afecto.

Em Portugal, praticamente mais de metade dos suicídios são cometidos por pessoas entre os 60 e os 80 anos.
A partir dos 80 anos, 40% entram num estado mais ou menos profundo de demência, e existem cerca de 200.000, com mais de 75 anos a viver na mais completa solidão.

E o tão apregoado Estado Social?
Esse vai-se esfumando. O que é que resta a estes idosos? Talvez a meditação ou um qualquer outro alimento espiritual que os mantenha "vivos". Porque afinal, nem famílias, nem Estado, nem nada...