Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 2 de junho de 2010

CALMUCOS (MONGÓLIA) - SINDYRIA







Para ti teci ao luar
Uma túnica de flores amarelas.
Se pudesse acreditar que me deixavas
À tona da água a teria desfolhado.

Para ti teci à sombra das árvores
Uma túnica de musgo do bosque.
Se pudesse acreditar que me deixavas
Aos quatro ventos a teria dispersado!

O vento que rodopia no meio dos abismos
Não pode mover os rochedos de Sindirya
Os rigores dos deuses implacáveis
Não podem mudar o coração que te ama.

A água das chuvas e das cheias
Não podem turvar a nascente de Sindirya.
Os homens e os dias que passam
Não podem fazer murchar o meu amor.

Tradução de Maria Jorge Vilar de Figueiredo

Sem comentários: