Este diário complementa o nosso site pessoal

( VER ETIQUETAS NO FIM DA PÁGINA )

USE O PESQUISADOR DO BLOGUE -

-

OS TRATAMENTOS SUGERIDOS NÃO DISPENSAM A INTERVENÇÃO DE TERAPEUTA OU MÉDICO ASSISTENTE.

ARTE

Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 16 de abril de 2010

JULIÁN DEL CASAL (1863-1893) - SONETO POMPADOUR






Amo o bronze, o cristal, as porcelanas,
Os vitrais de esfuziantes cores,
Tapeçarias pintadas de ouro e flores,
Espelhos como águas venezianas.

Amo também as belas castelhanas,
A canção dos antigos trovadores,
Os corcéis da Arábia, voadores,
Da Alemanha as baladas mais arcanas,

O rico piano de marfim sonoro,
O ressoar do corne na espessura,
Do frasco esguio a tão fragrante essência,

E o leito de marfim, sândalo e ouro,
Em que deixa a casta formosura
A flor sangrenta da sua inocência.


Tradução de José Bento

Sem comentários: